2

Projeto Escolar - Ser Mãe na Adolescencia

 Ser mãe na adolescência é uma barra difícil de encarar. Lidar com o susto e as responsabilidades antes da hora não é fácil, mas existem meninas que conseguiram superar todos os obstáculos.



A adolescência é um dos ciclos da vida caracterizado pela transição da infância para a fase adulta e marcado por transformações não só físicas, mas também psicológicas e sociais decorrentes do desenvolvimento da personalidade e da ação dos hormônios. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a adolescência vai dos 10 aos 19 anos incompletos e entre 12 e 18 anos, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente.



Questão freqüente nos consultórios, nas escolas, na sociedade, enfim, é a da precocidade das relações sexuais na adolescência que se inicia antes dos 15 anos e que leva a um aumento do numero de gestações, a maioria não planejada. Isso sem falar das doenças sexualmente transmissíveis.

Inseridas em uma sociedade que estimula através de diversos meios a prática sexual essas meninas, embora conheçam com prevenir uma gravidez não fazem uso de nenhum método anticoncepcional por um pensamento fantasioso de que nada vai acontecer ou mesmo por insistência do parceiro em não se prevenir. Provenientes em  sua maioria de uma estrutura familiar deficiente  e não só de classes socioeconômicas menos favorecidas, enxergam o companheiro como o “homem de sua vida” e vêem  na gestação uma possibilidade de mudança de vida  o que também contribui para elevar a auto estima.    

Estudos nos mostram que essas adolescentes em sua maioria provêm de famílias numerosas, muitas também filhas de adolescentes e que abandonaram ou acabam abandonando a escola. Portanto, altas chances de não se formar com as outras jovens, de não conseguir emprego e assim por diante.

Considerada de risco, a gravidez na adolescência pode agravar ou mesmo desencadear dilemas psicológicos e sociais, pois a mesma sociedade que estimula a pratica sexual enxerga a gravidez com os olhos do preconceito.

São gestantes que iniciam tardiamente o pré-natal e durante todo esse período delegam os cuidados para consigo à mãe ou um parente mais próximo, estando sujeitas a um maior numero de complicações na gravidez como anemias, diabetes gestacional, crescimento intra-uterino retardado, hipertensão (pré-eclampsia) dentre outras.

Em relação ao parto não se observa um maior índice de cesáreas, porém quando o parto normal acontece tem sido referido, por estudos, uma maior incidência de lesões vaginais. Não incomum também encontrarmos numero aumentado de casos de depressão pós-parto.

Sendo problema de saúde publica por suas repercussões na vida da adolescente, a gravidez nessa fase requer medidas várias a fim de diminuir as complicações não só físicas como também psicológicas, sociais e emocionais com suporte e apoio emocional  da família e de profissionais da área de saúde.

Muito se fala como medida preventiva, sobre a importância de programas educativos sobre métodos anticoncepcionais destinados às adolescentes. Penso que educar não é somente informar, mas também conscientizar essas jovens sobre o porquê, como e quando prevenir; e conscientização pede tempo, amor, paciência e pessoas envolvidas não só econômica  mas também afetivamente com o tema .

A família continua sendo núcleo fundamental na construção de uma sociedade saudável e cabe a ela a maior parte deste trabalho.



 Uma professora do ensino médio realizou um projeto muito interessante, com uma boneca programada para chorar em  horários diferentes do dia e da noite, como um recém-nascido (sem ninguém saber a programação), cada final de semana uma adolescente (aluna) levava a boneca para casa com a intenção de cuidar da mesma como se fosse filha, esse projeto escolar tinha o objetivo de  dar à adolescente um olhar realista sobre a criação de uma criança. 
Boneca chorou às de segunda-feira quando casa estava em chamas. (Foto: Reprodução)


Fonte:http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2011/10/familia-e-salva-de-incendio-nos-eua-apos-choro-de-boneca.html 

2 comentários:

Joelma disse...

Retribuindo a visita, apesar de ter demorado um pouquinho, kkkkk.
Um super beijo e parabéns pelo blog é lindo!

Prô Cris Chabes disse...

Olá Viviane
Que prazer conhecer seu blog e você
Sou do Educação em Foco e adorei seu recadinho lá, isso me trouxe até você
Esse tema do seu post é realmente muito delicado
Recentemente uma ex aluna (com 16 anos hoje) teve seu primeiro filho, sozinha, de um homem muito mais velho.
Fiquei muito triste pois me recordei de seus momentos criança em sala de aula
Espero que as coisas sigam bem para ela, mas confesso que temo por ela e pela criança, pois sei que a trajetória de ser mãe e adolescente é muito difícil
Agradeço novamente a visita
Voltarei mais vezes aqui
Cris

 
©2011 Juliana Hellen Por Templates Sal da Terra