10

Dia dos Pais

                          


dia dos pais no Brasil é comemorado no segundo domingo de agosto. Isso faz com que haja uma variação na mesma, caindo em dias diferentes.
A história mais conhecida em comemoração ao dia dos pais é a de William Jackson Smart, um ex-combatente da guerra civil que perdeu sua esposa quando os seis filhos eram ainda bem pequenos, criando-os sozinho. Sua filha Sonora Smart resolveu homenageá-lo, no ano de 1909, em razão da admiração que sentia, por este ter dedicado sua vida aos filhos e ter conseguido criá-los muito bem. A data escolhida foi a de nascimento de Willian, dezenove de junho.
Aos poucos a data passou a ser difundida a outras famílias da cidade onde moravam, no estado de Washington, sendo espalhada por todo país, até que o presidente Richard Nixon tornou-a oficial.
Porém, o primeiro registro de homenagem a um pai surgiu na antiga Babilônia, há mais de quatro mil anos, onde um jovem modelou e esculpiu um cartão para seu pai, desejando sorte, saúde e muitos anos de vida.
Nos Estados Unidos a data ficou estabelecida para ser comemorada no terceiro domingo de junho, assim como África do Sul, México, Canadá, França, Turquia, Venezuela, dentre outros. Na Austrália e Nova Zelândia a comemoração acontece no primeiro domingo de setembro; na Rússia, no dia vinte e três de fevereiro; na Tailândia, no dia cinco de dezembro; e na Itália, no dia 19 de março, dia de São José.
A data passou a ser comemorada no Brasil a partir de 1953. Várias entidades da imprensa se juntaram a fim de promover um concurso onde homenageariam três tipos de pais: o pai com maior número de filhos, o pai mais jovem e o pai mais velho. Os vencedores foram um pai com trinta e um filhos, um pai de 16 anos e um pai com 98 anos.
Ao se tornar pai, o homem passa a ter responsabilidades com seus filhos, devendo sustentá-los de forma digna, dar-lhes atenção, amor, carinho e proteção.
Segundo a Constituição Federal do Brasil, de 1988, o pai tem direito a cinco dias de licença após o nascimento de seus filhos, onde terá tempo para auxiliar a mãe do recém-nascido e fazer o registro do mesmo, em cartório.
O sucesso da comemoração dessa data é muito grande, movimentando bastante o comércio, pois os filhos oferecem presentes aos seus progenitores. Neste dia, os pais recebem atenção e carinho, tornando a data um dia diferente e muito especial para todos.
Jussara de Barros
Pedagoga


  Atividades para o dia dos pais


















































387

EJA Educação de Jovens e Adulto

       


A Educação de Jovens e Adultos compreende o processo de alfabetização e de
escolarização, em cursos ou exames supletivos nas etapas fundamental e média,
consideradas constitucionalmente como um direito subjetivo, contribuindo na formação
de cidadãos independentes, participativos e conscientes de seus direitos e deveres na
sociedade.


A alfabetização e a escolarização de jovens e adultos
foi reconhecida como modalidade de ensino em 1996 e, no ano 2000, foram traçadas as
diretrizes curriculares nacionais da EJA. Esses são marcos importantes na formação e
qualificação docente, pois determinam a formação continuada específica de professores
com saberes disciplinares, competências, estratégias de ensino, linguagens e textos
adequados às experiências culturais e sociais dos jovens e adultos, seus interesses e
possibilidades de aprendizado.


Entende-se por Educação de Jovens e Adultos a modalidade integrante da
educação básica destinada ao atendimento de alunos que não tiveram, na idade própria,
acesso ou continuidade de estudo no ensino fundamental e médio. A denominação
“educação de jovens e adultos” substitui o termo ensino supletivo da Lei n.º 5.692/71 e
atualmente, no Brasil, compreende o processo de alfabetização, cursos ou exames
supletivos nas etapas fundamental e média. Nos documentos legais pertinentes, a EJA é
considerada mais do que um direito: é a chave para o século XXI, por ser consequência
do exercício da cidadania e condição para a participação plena na sociedade, incluindo a
qualificação e a requalificação profissional.


Nesta perspectiva, é preciso buscar uma concepção mais ampla das dimensões
tempo e do espaço de aprendizagem para que professores e alunos desenvolvam uma
relação dinâmica com sua realidade social e com as suas questões, considerando os
espaços de aprendizagem representados pela juventude e a vida adulta.
Considerar a heterogeneidade desse público, seus interesses e suas expectativas
em relação à escola, suas habilidades e vivências é fundamental para a construção de
uma proposta pedagógica que considere a realidade desses alunos.


O professor de EJA deve perceber quem é esse aluno para que os conteúdos a
serem trabalhados façam sentido, tenham significado, sejam elementos concretos na
formação do aluno para que ele possa, por meio dos conteúdos estudados, intervir de
forma significativa na sua realidade.
Quando nos referimos à EJA enquanto modalidade específica da Educação
Básica, essa expressão traz consigo uma série de referenciais que devem ser mais bem
estudadas para um entendimento dos conceitos envolvidos na educação de jovens e
adultos. O fundamentos e funções da EJA, que reproduzimos no texto a seguir,
estabelecem as bases desta modalidade de educação, que devem nortear o trabalho dos
professores de jovens e adultos.




                EJA - Histórico



A seguir, elencaremos alguns exemplos de programas empreendidos por
intelectuais, estudantes e católicos engajados na ação política pela alfabetização:
- Movimento de Educação de Base, da Conferência Nacional dos Bispos do
Brasil, estabelecido em 1961, com o patrocínio do governo federal.
- Movimento de Cultura Popular do Recife, a partir de 1961.
- Campanha de Pé no Chão Também se Aprende a Ler, da Secretaria
Municipal de Educação de Natal.
- Centros Populares de Cultura, órgãos culturais da União Nacional dos
Estudantes (UNE).


O golpe militar de 1964 interrompeu os preparativos para o início das ações do
Plano Nacional de Alfabetização, que era coordenado por Paulo Freire a convite do
governo. A repressão que se seguiu sobre os movimentos de educação popular levaria o
educador pernambucano ao exílio, onde ele escreveria os primeiros livros que o
tornariam conhecido em todo o mundo.


A educação de jovens e adultos promovida pelo governo foi utilizada, durante a
ditadura militar, como instrumento para a manutenção da coesão social e de legitimação
do autoritarismo, alimentando o mito de uma sociedade democrática sob um regime de
exceção. A escolarização de jovens e adultos foi transformada em ensino supletivo, uma
mudança implantada pela reforma do ensino de 1971. Nesse ano teve início a campanha
denominada Movimento Brasileiro de Alfabetização, que se tornou conhecida pela sigla
Mobral. Apesar do seu funcionamento excessivamente centralizado, a iniciativa
rapidamente se disseminou por todo o país, mas sua proposta de erradicar o
analfabetismo no período de uma década não se concretizou. Em 1985, no período de
transição para a democracia, o Mobral foi extinto e substituído pela Fundação Educar.




O método Paulo Freire


Indispensáveis a todo professor, senão a todo cidadão brasileiro, o conhecimento
da história e da proposta pedagógica do educador pernambucano Paulo Reglus Neves
Freire é imprescindível para o entendimento da história da Educação no Brasil.
Especialmente àqueles que se dedicam à educação de jovens e adultos.
Freire mudou a concepção da educação e continua influenciando pedagogos até
os dias de hoje – sobretudo no Brasil e na África. Ele nasceu em Recife, em 19 de
setembro de 1921 e morreu em 2 de maio de 1997, em São Paulo. Era de classe média,
mas na infância, durante a depressão de 1929, conviveu com a pobreza e a fome. Sua
obra literária – escreveu individualmente 27 livros – e suas ideias são fortemente
influenciadas pela preocupação com os mais pobres, o que o levou a criar seu método de
alfabetização considerado revolucionário.



Em 1963, no Rio Grande do Norte, Paulo Freire ensinou 300 adultos a ler e a
escrever em apenas 45 dias. Seu método de alfabetização foi adotado inicialmente no
estado de Pernambuco a partir dessa experiência e consiste na síntese de algumas
correntes do pensamento filosófico do seu tempo. Ele combinou princípios do
existencialismo cristão, da dialética hegeliana, da fenomenologia, do materialismo
histórico e também do nacionalismo desenvolvimentista do governo de João Goulart.
Aliada ao seu talento de escritor, essa concepção conquistou a adesão de pedagogos,
teólogos, cientistas sociais e militantes identificados com as mudanças sociais.








A proposta de Paulo Freire para a alfabetização de adultos tem uma nova
compreensão da questão educacional brasileira. Ele interpreta o analfabetismo como
produto de estruturas sociais desiguais e, por isso, é um efeito e não a causa da pobreza.
Freire propôs que os processos educativos sejam transformadores da realidade e
via a alfabetização como uma ferramenta para o exame crítico e a superação dos
problemas vivenciados pelas pessoas e comunidades. Sua pedagogia foi concebida a
partir dos princípios de liberdade, compreensão da realidade e participação de modo a que as
pessoas pudessem compreender as estruturas sociais e as formas de dominação às quais
estavam submetidas.






      Resumo – Histórico do EJA no Brasil


Data/Época Situação e perspectiva / Resultados


1872 / Pesquisa aponta 82,3% de analfabetos.


1890 /Primeiro censo socioeconômico da república. Situação idêntica a
1872.


1890 a 1950/ Escassas oportunidades de acesso à escolaridade. Mais de 50%
da população continua analfabeta.


1947 /Estruturação dos serviços de educação de adultos e início da
Campanha de Educação de Adolescentes e Adultos (CEAA).
Nenhum resultado prático.
1952/ Campanha Nacional de Educação Rural. Ensino superficial e de
pouca efetividade.
1958 /Campanha Nacional de Erradicação do Analfabetismo. Ensino
superficial, inadequado e de pouca ou nenhuma efetividade.
1960 a 1964 /Adoção dos métodos de Paulo Freire com implantação de várias
campanhas, incluídas Movimento de educação de Base, Movimento de Cultura Popular, Campanha de Pé no Chão também se aprende a ler e os Centros Populares de Cultura.
Época efervescente e de muita esperança.
1964 /Golpe Militar. Suspensão das liberdades individuais com a
desativação de vários movimentos. Exílio de Paulo Freire. Nos
subterrâneos do poder foram desenvolvidas várias ações
educativas que influenciaram o retorno da democracia 20 anos



2

Personal Mother


Amigos e seguidores do Blog Educar é Viver, achei muito interessante a iniciativa de uma amiga , vendo o sufoco de amigas e conhecidas em relação ao trabalho e filhos, minha amiga Cláudia, teve a ideia de iniciar a nova profissão "PERSONAL MOTHER" em Brasília, uma espécie de mãe de aluguel que ajuda levando os filhos de outras pessoas para escola, brincando, levando para consultas médicas e até acompanhando em passeios e viagens.





“A personal mother nada mais é do que uma companheira, uma parceira, uma amiga. É um trabalho de muita confiança”, afirmou Cláudia em reportagem do DFTV.
Como a profissão é relativamente nova, não existe curso para aprender a ser “personal mother”, mas Cláudia afirma que é preciso ter noções de cuidados básicos com crianças e muita disposição.
A servidora pública Edleusa Alves foi uma das primeiras clientes de Cláudia e diz que estava em um momento muito difícil quando recorreu aos serviços da mãe de aluguel.
“Já tinha um filho e essa outra veio de surpresa e eu tinha acabado de passar em um concurso público e fui chamada.”
Informações da TV Globo Brasília e do G1

Personal Mother no Jornal de Brasília, leia mais…









A Revista Fecomércio de junho contou a história de seu novo trabalho...



  Claro que não poderia de deixar de ajudar minha amiga em sua  nova trajetória, mesmo muito nervosa  
(gaguejando) dei meu depoimento a respeito dela.Confira!!

 A professora Viviane Ramos fala sobre sua relação com a Personal Mother Claudia Santana e relembra a época em que seus filhos iam para a escola no transporte de Tia Claudinha, apelido carinhoso atribuído à Claudia pelas crianças.

 clique no link e confira o vídeo.

http://youtu.be/gZey4XUoPFc

2

Síndrome Williams

        


A Síndrome de Williams, ou Síndrome Williams-Beuren, é uma desordem genética, raramente com manifestação hereditária, e que ocorre em aproximadamente uma criança a cada vinte e cinco mil nascimentos; apresentando impactos nas áreas comportamental, cognitiva e motora. Descrita na década de 60, ocorre em ambos os sexos e grupos étnicos, e nem sempre é diagnosticada com facilidade.
Tais pessoas, na maioria dos casos, apresentam alterações no lócus do gene da elastina, em um braço do cromossomo sete. A diminuição dessa proteína, portanto, justifica o porquê de geralmente apresentarem alterações cardiovasculares, voz rouca, genitália pequena, face característica, necessidade frequente de urinar e envelhecimento prematuro. Aproximadamente outros trinta genes, desse mesmo cromossomo, resultam nas outras características atribuídas à síndrome.
Suas faces tendem a seguir certos traços, como nariz pequeno e empinado, lábios grandes, dentes pequenos, bochechas proeminentes e queixo pequeno; apresentando-se sempre sorridentes. Apesar de nascerem com peso mais baixo, e terem crescimento mais retardado, a puberdade geralmente se inicia mais cedo.
Portadores dessa síndrome, apesar de demorarem um pouco mais a falar, se expressam de forma bastante articulada e fluente, sendo muito sociáveis, entusiasmados e comunicativos. Têm dificuldades em reconhecer ironias ou intenções não verbais de outras pessoas. As crianças tendem a apresentar maior facilidade em lidar com adultos do que com pessoas da sua idade.
Geralmente utilizam frases estereotipadas, gravam com facilidade nomes de pessoas e locais, e tendem a ter comportamento ansioso e hiperativo. Têm medo de altura e superfícies irregulares, possuem dificuldade de locomoção e equilíbrio, e também dificuldades de aprendizagem, principalmente no que se diz respeito a cálculos numéricos e orientação espacial. Considerando que a maioria dos educadores não é devidamente preparada para lidar com alunos em condições especiais, tais dificuldades podem se apresentar bem maiores do que são, de fato.
Por serem hipersensíveis a sons, podem se assustar com determinados ruídos e barulhos; mas, em contrapartida, possuem grande facilidade e desenvoltura com a música.

Diagnóstico:
Em muitos casos, a análise clínica do paciente já oferece resultados conclusivos. Entretanto, pode ser necessária a realização de exames de cariótipo dos glóbulos brancos e análise dos genes da elastina e L1Mquinase por uma técnica conhecida como FISH.

Como lidar com o portador?
A Síndrome de Williams não tem cura. Entretanto, o diagnóstico precoce e acompanhamento desde criança permitem com que determinados aspectos cognitivos, comportamentais e motores sejam trabalhados, oferecendo excelentes resultados.
Estimulados e treinados desde a infância, são capazes de conquistar relativa autonomia e, inclusive, exercer uma profissão. Na escola e em casa, a criança pode acompanhar, juntamente com outras de sua idade, aquilo que é capaz, sendo necessário atendimento diferenciado somente em situações nas quais seu aprendizado precise desse tipo de ajuda.
Além disso, o acompanhamento precoce permite o alívio de sintomas e prevenção de doenças cujos portadores se apresentam predispostos. Assim, pode ser importante a realização periódica de exames cardiológicos, de audição, visão e de dosagem de cálcio; acompanhamento de peso e nutricional (já que 30% dos adultos com essa síndrome tendem a ser obesos); avaliação de problemas digestivos e urinários, ortopédicos, neurológicos e odontológicos.
Com esses cuidados, a expectativa de vida dos portadores é normal. 
Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia
Equipe Brasil Escola

Como lidar com a Síndrome de Williams na escola?
 
A sociabilidade não é um problema para crianças com Síndrome de Williams. Mas é preciso tomar cuidado com a ansiedade desses alunos. Geralmente eles se preocupam demais com determinados assuntos. Conte com o apoio do Atendimento Educacional Especializado (AEE) e respeite o tempo de aprendizagem de cada um.

Atividades com música atraem a atenção dessas crianças, tanto pela sensibilidade auditiva, quanto pela boa memória.
Também é comum que crianças com síndrome de Williams procurem fazer amizades com adultos e não se aproximem tanto das crianças da mesma idade. Estimular o contato do aluno com os colegas, portanto, é fundamental para o desenvolvimento escolar.


Leia também:


  

0

Férias Escolares

                                          

Amigos e seguidores do Blog EDUCAR É VIVER, estamos no mês de férias, ou seja, recesso escolar e por esse motivo postarei sobre o assunto.



Organizar atividades para os filhos durante o período de férias é a melhor forma de mantê-los alegres, sentindo que estão descansando e aproveitando o período sem aulas.
Uma boa opção é receber os amigos em casa. Para isso, o filho deve fazer contato com seus amigos prediletos e, caso haja necessidade, os pais combinam entre si.
A anfitriã deve se informar do tipo de alimentação que as crianças fazem, do que gostam de comer, se possuem alergias a algum alimento, se podem tomar gelado, etc.
Preparar as refeições com antecedência é uma boa opção para não ficar presa à cozinha no momento de receber os convidados, mas lembre-se: são amigos do seu filho e, portanto, deve recebê-los contando com o apoio da mãe.
Da mesma forma, dependendo da idade, a própria criança poderá programar as atividades. 

Como sugestão, olhem as seguintes ideias:
- Locação de um filme para que as crianças relaxem um pouco após o almoço;
- Passeio num parque de diversões;
- Passeio ao zoológico;
- Passeio ao shopping com direito a cinema e pipoca;
- Banho de piscina num clube ou se tiverem em casa;
- Ida a uma sorveteria;
- Piquenique num lugar bem tranquilo e que não proporcione perigo;
- Jogos em casa, como xadrez, dama, trilha, dominó, uno, cara a cara, senha, leilão de artes, detetive, war, banco imobiliário, jogo da vida, elástico, amarelinha, bolinha de gude, bolinha de sabão, massinha caseira, oficina de criatividade com sucatas, dentre vários outros.

Além disso, se as crianças forem dormir na casa do amigo poderão fazer desfile de pijama, brincar de insônia e ver quem consegue ficar acordado até mais tarde, montar cabaninhas com lençol, acampando no meio da sala, brincar de cambalhota nos colchões espalhados pelo chão, etc.
Nas férias dá para fazer bastante coisa, mesmo estando dentro de casa. O importante é usar a criatividade e a imaginação para garantir a diversão da garotada.
Por Jussara Barros

  

         A Importância da Leitura


As tecnologias do mundo moderno fizeram com que as pessoas deixassem a leitura de livros de lado, o que resultou em jovens cada vez mais desinteressados pelos livros, possuindo vocabulários cada vez mais pobres.
Muitas coisas que aprendemos na escola são esquecidas com o tempo, pois não as praticamos. Através da leitura rotineira, tais conhecimentos se fixariam de forma a não serem esquecidos posteriormente. Dúvidas que temos ao escrever poderiam ser sanadas pelo hábito de ler; e talvez nem as teríamos, pois a leitura torna nosso conhecimento mais amplo e diversificado.
Durante a leitura descobrimos um mundo novo, cheio de coisas desconhecidas.
O hábito de ler deve ser estimulado na infância, para que o indivíduo aprenda desde pequeno que ler é algo importante e prazeroso, assim ele será um adulto culto, dinâmico e perspicaz. Saber ler e compreender o que os outros dizem nos difere dos animais irracionais, pois comer, beber e dormir até eles sabem; é a leitura, no entanto, que proporciona a capacidade de interpretação.
Toda escola, particular ou pública, deve fornecer uma educação de qualidade incentivando a leitura, pois dessa forma a população se torna mais informada e crítica.
Por Eliene Percilia

           Colônia de Férias


Colônia de férias é uma programação voltada para crianças, adolescentes e jovens que já se desvincularam do colégio nos períodos de férias. São organizadas por equipes de desporto que buscam incentivar a livre iniciativa, brincadeiras lúdicas, leitura e o contato com a natureza.
Normalmente as colônias de férias ocorrem em clubes, condomínios, parques, escolas e academias que preocupados com a formação e boa ocupação dos futuros cidadãos projetam atividades criativas para descontrair e inserir temas importantes que os auxiliarão perante a sociedade.
As atividades selecionadas para serem aplicadas em colônias de férias podem ser:
Passeios ecológicos
Jogos esportivos e/ou recreativos
Incentivo a arte com aplicação de pintura, origami, dança, teatro, arte circense e outros.
Sala de jogos e karaokê
Torneios
Apresentações com mágicas, música, teatro e outros.
Gincanas aquáticas
Conferências sobre higiene pessoas, primeiros socorros, doenças sexualmente transmissíveis e outras.
Existem colônias de férias que além de se preocupar com os aspectos já citados buscam ainda a proximidade familiar entre pais e filhos. Estas já são voltadas para toda a família com o intuito de unir os pais e filhos a partir de atividades que serão realizadas por tais. Este é uma boa opção para pais que sentem a necessidade de se aproximar de seus filhos de forma a não levantar sentimentos de constrangimento em seus filhos que neste período da vida desejam estar na companhia de amigos a de pais.
Por Gabriela Cabral
Equipe Brasil Escola

             Cursos de Férias


Os cursos de férias são aqueles que se realizam no período de férias escolares. São oferecidos por várias universidades, para universitários, profissionais e demais interessados que desejam melhorar seus conhecimentos e atualizá-los, retornando das férias mais bem preparados.
Tais cursos são investimentos de baixo custo, de carga horária variável entre 09 e 30 horas e de grande valia, já que enriquece o currículo e induz o interesse dos empregadores. Os cursos não precisam estar relacionados com a área que se estuda ou que já exerce função, pois os cursos podem melhorar áreas pessoais que influenciam no trabalho e ainda trazer conhecimento em diferentes áreas.
Para escolher um curso de férias atente para:
O período disponível de férias,
O período que deseja investir em cursos,
Opção de workshops e seminários caso o tempo disponível não seja de 30 dias,
Cursos oferecidos pela própria instituição de ensino que estuda,
Dedicação em cursos de férias também é necessária, para não perder tempo e dinheiro.

Os cursos têm valores de investimentos variáveis e temas diversificados em diferentes áreas como de teatro, administração, saúde, atendimento, relações internacionais, informática, línguas, comunicação, engenharias, agricultura, direito e muitas outras. Informe-se em sua cidade sobre as universidades e faculdades que investem em cursos de férias e as áreas que oferecem.
Por Gabriela Cabral
Equipe Brasil Escola


                 Dicas de Livros


A leitura é uma prática de grande importância para as pessoas, porém é vista às vezes como uma obrigação pra lá de chata e maçante, já que quando estamos estudando é preciso ler muito e reler em algumas situações. Pensando por outro ângulo, existem alguns livros que nos permitem viajar e até vivenciar certas histórias como se fizéssemos realmente parte dela.
 É difícil imaginar uma menina que tenha lido Crepúsculo, de Stephenie Meyer, sem dar um suspiro ou ao menos se sentir envolvida na história... As crônicas de Nárnia, de Clive Staples Lewis fazem os leitores viajarem também num mundo misto de fantasia e realidade...

Para provar que leitura pode ser mais interessante do que você imagina, veja a lista de livros que preparamos: 

Para meninas:

O diário da Princesa – Meg Cabot

Uma fada veio me visitar – Thalita Rebouças

A rainha da fofoca – Meg Cabot

Coisas que toda garota deve saber – Samantha Rugen

O superblog das maravilhooosas – Inês Stanisiere

Uma garota entre nós – Cecily Von Ziegesar

Reunião – Meg Cabot


Para meninos:

Harry Potter – J. K. Rowling

Túneis – Brian Williams; Roderick Gordon

Águas profundas – H. I. Larry

O aprendiz – Joseph Delaney

Goosebumps – R. L. Stine

Coisas que todo garoto deve saber – Antonio Carlos Vilela

Deltora Quest – Emily Rodda

O grande livro dos seres fantásticos – Manuel Calderon

Sr. Ardiloso Cortês – Derek Landy

Vampyro O Terrível Diário Perdido do Dr. Cornélius Van Helsing – Cornélios Van Helsing

Viagem ao centro da Terra – Julio Verne

Por Gabriela Cabral
Equipe Brasil Escola

                 Ler Durante as Férias


Chegou o período de férias e o que fazer? Que tal viajar, fazer uma viagem diferente das outras, viajar por mundos e dimensões desconhecidas? É isso que acontece quando lemos, saímos em uma surpreendente viagem cheia de aventuras onde exploramos outros universos.
A melhor época para ler é durante as férias, pois temos mais tempo e menos preocupações.
Um livro pode nos apresentar diferentes contextos de mundo e de vida, pode nos levar a diferentes aventuras em terra de monstros, de seres estranhos e de magia. Existem livros que provocam diferentes sensações, há livros que nos fazem rir, chorar e até mesmo voltar ao tempo em que éramos crianças e acreditávamos em contos de fadas. Os prazeres proporcionados por um bom livro geram sentimentos e expectativas diferentes ao leitor, pois esse conhece coisas e situações diferentes das corriqueiras, mostra-lhe como reagir perante as dificuldades, como mudar seu futuro, entre outros.
Muitas pessoas quando entram de férias querem viajar e esquecer os problemas, para isso nada melhor que um livro, pois ele proporciona esses dois desejos. A leitura enriquecesse nosso vocabulário, amplia nossos conhecimentos, muda nossa forma de encarar os desafios, o jeito de resolver determinados problemas, etc. Grande parte das respostas para as dúvidas do homem se encontra nos livros.

Há pessoas que gostam de livros literários, de livros científicos e outras de leitura religiosa, como a Bíblia, cada leitor tem um gosto e para cada gosto existe um livro. Atualmente muitos órgãos incentivam a leitura durante as férias, uma dessas formas de incentivo é a de abrir as bibliotecas durante o período de férias disponibilizando materiais atrativos e atuais, títulos que agradam a crianças, jovens e adultos. Uma das melhores formas de melhorar o conhecimento e o futuro do planeta é dedicar-se à leitura, pois os livros são uma rica fonte de conhecimentos.
Por Eliene Percília
Equipe Brasil Escola

Opções de lazer para quem não vai viajar


Quando se fala em férias o primeiro pensamento que nos vem à mente é o de viajar. Porém, nem todo mundo consegue viajar, talvez por que o acompanhante não terá férias ou por falta de condições financeiras, etc. Se você é uma dessas pessoas não se desanime, aqui você encontrará dicas de como aproveitar as férias sem sair de sua cidade.

- Região litorânea; se você mora perto do mar, nada melhor que pegar umas ondas, nadar, caminhar na orla, pegar um bronzeado e conhecer pessoas diferentes. Existem mil e uma atividades que podem ser feitas na praia, basta você encontrar uma que faça sua cabeça.

- Região verde; caso more em uma região onde existem floresta e parques ecológicos, nada melhor que aproveitar a natureza. Existem programações diversificadas para curtir a natureza sem causar danos a ela como, por exemplo, trilhas ecológicas, rapel (escalar ou descer paredões), Rafting (descer corredeiras), entre outros. Além disso, você pode acampar, fazer piqueniques, etc.

- Região urbana (selva de pedras); há nas cidades uma série de opções de entretenimento, veja o que você pode fazer para se divertir:

• Cinema: você pode se distrair assistindo um bom título na telona;
• Praças: você pode se reunir com seus amigos na pracinha e fazer brincadeiras, conversar sobre diferentes assuntos, etc.;
• Shoppings: conhecer pessoas diferentes, interagir com amigos na praça de alimentação, etc.;
• Em casa: em casa você pode criar diferentes ambientes, como fazer um churrasco entre amigos, uma festa temática, etc.;
• Clubes: curtir uma piscina com amigos, pegar um belo bronzeado, etc.;
• Teatro: se você curte um programa mais clássico, assistir ao uma peça teatral é uma boa pedida;
• Filme em casa: convidar os amigos que também não irão viajar para assistir um filme divertido em casa;
• Jogos: uma excelente forma de se divertir nas férias é participar de jogos e, disputas com os amigos;
• Acampamento em casa: você não vai viajar, porém nada te impede de acampar. Você pode promover um acampamento no quintal ou na sala de sua casa, convidando alguns amigos para passar momentos divertidos em seu acampamento.

Essas são apenas algumas dicas de como aproveitar as férias sem viajar, se você procurar com certeza encontrará outras coisas interessantes para fazer, algo que se identifique mais com seu estilo.

Por Eliene Percília
Equipe Brasil Escola



         Tipos de Brincadeiras


No período em que as aulas param, as pessoas começam a ficar ociosas e apreensivas dentro de casa, buscam alternativas que lhes proporcionem prazer. Existem pais que por algum motivo não podem viajar no período de férias e nem colocar seus filhos em colônias para se divertirem.
Neste contexto, vivenciado por muitos estudantes, a melhor opção é projetar brincadeiras e passatempos dentro de casa. É necessário ter uma quantidade considerável de pessoas, por isso, reuna seus colegas para que se lembrem das brincadeiras como:
Morto-vivo: É estabelecido um mestre para comandar a brincadeira. Todas as pessoas devem ser colocadas em forma de círculo. Quando o mestre gritar vivo, deve-se permanecer de pé e quando gritar morto, deve-se abaixar. Quem fizer o movimento diferente do comando dado pelo mestre sai da rodada.
Telefone sem fio: Consiste em organizar cinco ou mais pessoas sentadas uma ao lado da outra formando um círculo. A brincadeira começa quando uma pessoa é escolhida para ser a primeira participante fala algo no ouvido do seu colega do lado e este passa a informação que recebeu para o colega seguinte e assim sucessivamente até que chegue no ouvido do último participante que está do lado de quem iniciou a brincadeira. Este fala o que ouviu em voz alta e se conseguir repetir o que foi falado originalmente pela primeira pessoa, a brincadeira recomeça, se a mensagem for diferente, este sai da brincadeira e aguarda a próxima rodada.
Passa-anel: Uma pessoa é escolhida para passar o anel para as demais, enquanto outra é escolhida para adivinhar onde o anel está. Com as mãos fechadas e com o objeto pequeno entre elas, vai passando pelas mãos dos demais participantes até que deixe o objeto nas mãos de alguém. Ao passar por todas as pessoas, deve-se acertar com quem o objeto está.
Estátua: Consiste em colocar várias pessoas para dançar uma determinada música. Em um momento a música é parada, nessa hora deve-se permanecer na forma com que se está. O mestre, ou seja, o dj vai até as "estátuas" e tenta fazer com que se mexam. Aquele que sorrir ou mexer é eliminado do jogo.
Elefante colorido: É escolhido um mestre para comandar a brincadeira. O mestre diz: “Elefante Colorido” e os outros respondem: “Que Cor?” o mestre então diz uma cor e então o grupo de pessoas deve pegar em algum objeto que tenha a cor determinada pelo mestre. Aqueles que não encontrarem a cor ou não conseguirem chegar até elas são eliminadas da rodada.
Essas brincadeiras além de divertir muito, faz com que um momento de monotonia se torne em uma saudável volta ao passado. 
Por Gabriela Cabral
Equipe Brasil Escola


9

Sala de Reforço Escolar



                         




Olá amigos e seguidores do Blog EDUCAR É VIVER, estamos entrando no 2º semestre, no decorrer do mesmo percebemos que alguns alunos precisam de um apoio extra. Por esse motivo postarei ideias e falarei sobre o assunto. Muitos educadores, como acontece comigo, utilizam seu tempo livre (o que sobra) para ajudar alunos de várias séries e escolas a conseguirem se recuperar para não reprovarem.
  Atenção a postagem:



As escolas podem adquirir uma sala de aula exclusiva para reforçar os estudos dos alunos. Os professores poderão utilizar  jogos educativos  e outros métodos para melhorar o desempenho escolar.
Faz-se um diagnóstico e em seguida os alunos irão para a sala de reforço aprimorar seus conhecimentos.
Esta sala de reforço escolar será  designada a atender alunos provenientes de qualquer etapa da educação que apresente defasagem quanto à assimilação dos conteúdos propostos e desenvolvidos nas salas de aulas regulares. 

                            Projeto Reforço escolar

  • Caracterização do Projeto:
O projeto reforço Escolar deverá atender a alunos de qualquer séries da escola com maiores dificuldades de aprendizagem, previamente avaliados e selecionados pelos seus respectivos professores.

O reforço será feito no horário contrário da aula do aluno e se enquadra dentro da orientação de ampliação progressiva da jornada escolar. Serão atendidos X alunos a cada dia e cada um deverá ter direito a pelo menos X horas semanais de acompanhamento.
Cabe ao professor do reforço avaliar periodicamente os resultados de aprendizagem desses alunos em parceria com a coordenação pedagógica e o professor de sala e elaborar relatórios.
  •  Justificativa do Projeto 
O conhecimento de novas informações e instrumentos necessários para que seja possível ao aluno continuar aprendendo é orientação dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Assim sendo, alunos que estão no ensino fundamental, e já trazem uma  defasagem de aprendizagem, precisam recuperar sua auto estima para poder continuar aprendendo e mais a frente não ficarem prejudicados.
Nesse sentido, aulas de reforço, na perspectiva da ampliação da jornada escolar, é um direito de todos. Portanto, é de interesse pedagógico  implantar turmas de reforço em todas as áreas, principalmente de Língua Portuguesa e Matemática visando corrigir distorções de aprendizagem.
  •  Objetivos, Metas e Atividades

  1. Objetivo Geral
Ampliar as possibilidades de aprendizagem dos alunos, dando-lhes oportunidades de reforçar, aprofundar ou suprir carências dos conteúdos, trabalhados na Base Nacional Comum do Ensino Fundamental.

       2.  Objetivos Específicos

Oferecer atividades pedagógicas, no contra-turno, para alunos com dificuldades de aprendizagem.
Transformar as aulas  em momentos estimulantes, que exigem estratégias para resolução das diversas situações-problema.
Desenvolver a auto-estima e a perseverança na busca de soluções.

       3. Metas

Melhorar o desempenho dos alunos envolvidos no projeto.

      4.  Metodologia e Estratégia de Ação

O projeto deverá se desenvolver da seguinte forma:
  •  Serão selecionados alunos com maiores dificuldades de aprendizagem nas suas turmas de origem pelo professor de sala.
  •  Grupos de sete alunos a cada duas horas pelo menos duas vezes por semana ou 5 alunos a cada uma hora pelo menos 3 vezes na semana.
  •  Serão selecionados conteúdos a partir das dificuldades dos alunos nas suas turmas de origem, planejamento dos professores de sala e reforço.
 A avaliação dar-se-á periodicamente e registrado os avanços e dificuldades em relatórios.

       5.  Resultados e Impactos Esperados

Melhoria do nível de aprendizagem dos  alunos envolvidos no projeto.
Melhoria da auto-estima dos alunos e melhor desempenho nas atividades de resolução do problema.
Desenvolvimento do raciocínio lógico matemático, interpretação, atenção.

       6. Riscos e dificuldades a serem enfrentadas

Frequência dos alunos ao reforço. O envolvimento dos pais.
Apoio da escola.

Reforçar em português e matemática, disciplinas consideradas básicas para aprendizado de qualquer outro tema. "Se o aluno não aprender bem estas disciplinas não terá condições de aprender os outros conteúdos", 

Conhecer melhor a sua realidade familiar e ajudá-lo de maneira mais eficaz, fomentando o acompanhamento consciente de seus pais é possível ter este período de reforço, sem prejuízo para os outros conteúdos, que serão oferecidos no restante do ano. “Em história, por exemplo, haverá interpretação de textos históricos, reforçando língua portuguesa”

Alunos que participar regularmente e cumprirem as tarefas serão premiados com bônus em suas notas nas disciplinas regulares.

Os professores, preparar as aulas que serão ministradas e trocar impressões sobre o melhor andamento do projeto. A partir das idéias centrais e dos objetivos traçados, cada um, à sua maneira, procura conquistar a atenção dos seus alunos dentro da sala de aula. Deste modo contribuem para um melhor desempenho escolar, dando sugestões concretas aos alunos para que estejam mais atentos, aproveitem melhor o tempo, sejam ordenados e pontuais em suas tarefas e procurem se preocupar mais com os seus colegas de sala fora do horário letivo regular, com aulas de matemática e português, consideradas as disciplinas básicas nesta faixa etária. As reuniões procuram auxiliar os alunos a assimilar os conteúdos principais e animá-los a esclarecer as suas dúvidas.



                                          Sala de Reforço  Escolar







Em uma sala de Reforço Escolar, o interessante é arrumá-lo de modo aconchegante
e descontraído. Lá vão as dicas:

  • Canto temático (leituras e jogos temáticos).
  • Quadro branco (melhor para evitar alergia de professores e alunos).
  • Espelho (dependendo da dificuldade do aluno, o espelho ajuda em seu desenvolvimento).
  • Computador e impressora (para realização de pesquisas escolares e jogos didáticos, assim aprenderão brincando).
  • Armário ( para guardar livros, cadernos, jogos, materiais num todo).
  • Mesas e cadeiras (individuais ou coletivas).
  • Ventilador (ambiente deve ser arejado e não abafado).
  • Iluminação clara (ambiente iluminado).
  • Decoração ( com cores claras e alegres).
  • Decoração com EVA (desenhos infantis, alfabeto, números e vogais).
  • Telefone ( caso for necessário entrar em contato com o responsável).


 
©2011 Juliana Hellen Por Templates Sal da Terra